Vídeo: Entenda motivo da soltura de médico que se negou a atender delegado em Cavalcante

Profissional teria se recusado a prestar atendimento prioritário enquanto estava atendia um paciente e foi acusado de desacato. Moradores protestaram contra prisão considerada injusta

A justiça soltou nesta sexta (28) o médico que se teria se recusado a prestar atendimento prioritário a um delegado de Cavalcante. Fábio França recebeu a ordem de prisão de Alex Rodrigues após ter testado positivo para covid e procurado o profissional de saúde para detalhes em relação ao de quadro de saúde. Fábio estava detido desde a noite de quinta (26).

“Todos devem ser iguais, temos protocolos, temos todos os critérios que é para ser feito dentro das unidades e temos que cumprir isso”, afirmou o médico na saída da delegacia. Na decisão do juiz Fernando Oliveira Samuel pelo relaxamento da prisão, a situação teria ocorrido por insatisfação do delegado.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Ao que parece, realmente pode ter abusado de suas funções públicas usando do cargo que ocupa para dar vazão a uma insatisfação quanto ao atendimento realizado anteriormente”, argumenta o magistrado. Ele pediu apuração de eventual “falta funcional” pela Corregedoria da Polícia Civil.

LEIA TAMBÉM

• Idoso é preso suspeito de transportar cocaína para outros países a mando de empresários de goianos• “Posso ajudar muito mais sendo médica”, atesta Ludhmilla Hajjar• Imunização contra Covid, Influenza e Sarampo continua neste sábado,14, em Goiânia

Se configurado abuso de autoridade, o delegado pode ter de indenizar a vítima por possíveis danos causados pelo crime, ficar inabilitado para o exercício de cargo, mandato ou função pública de um a cinco anos e perder o cargo.

Entenda

A confusão começou pela manhã do dia da prisão quando Alex teria exigido que o médico prestasse atendimento prioritário a ele e interrompesse uma consulta em andamento com outro paciente. Alegando questões de ética profissional, Fábio não atendeu à solicitação e horas mais tarde dois agentes de polícia e o próprio delegado retornaram à unidade de saúde para prender o profissional.

A Polícia Civil informa por meio de nota que as acusações são de desacato, crimes de exercício irregular da profissão, resistência, desobediência, ameaça e lesão corporal. A corporação alega que o médico estaria agindo com insegurança por não estar atuando ilegalmente na profissão.

“Realizados levantamentos técnicos acerca do registro profissional do suposto médico, Fábio França, constatou que o registro do médico junto ao Conselho Regional de Medicina de Goiás estava cancelado”, afirma a assessoria. O delegado teria ido até a unidade de saúde para esclarecer os fatos, mas o profissional teria ofendido Alex no consultório.

A ausência do registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) constatada na delegacia não configura exercício ilegal da Medicina porque Fábio França atua dentro do programa Mais Médicos, do governo federal, o que dispensa essa exigência. A situação regular para atuação dele foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde de Cavalcante.

De acordo com a pasta, ele atua como médico no município desde 2016. “É bastante querido pela população e colegas de trabalho e não há nenhum registro que desabone a sua conduta até o momento”, informa a SMS. “Parte das ações a serem tomadas a seguir são de decisão pessoal do profissional que terá apoio da Prefeitura tanto em sua defesa e caso deseje registrar ocorrência em face dos atos da autoridade policial”, completa.

Arbitrariedade

Testemunhas e a população local acusam o delegado de arbitrariedade e pedem justiça. Eles pedem a transferência da autoridade policial. A ação dos agentes envolvidos na prisão do médico será investigada pelo Ministério Público para identificar eventual crime praticado. Alex é o delegado responsável pelo inquérito que apura a chacina de quatro pessoas por policiais civis no município em 20 de janeiro.

Assista a manifestação que ocorreu hoje em Cavalcante pela soltura do médico e afastamento de delegado:

Tags: