Vídeo: Russos se aglomeram por último lanche no McDonald´s

Fechamento é uma forma de protesto contra os ataques russos na Ucrânia. Os 62 mil funcionários no país continuarão a ser pagos

Moradores da Rússia se despediram dos últimos dias de marcas como McDonald´s e Starbucks, símbolos da abertura russa no Ocidente, que decidiram suspender suas atividades devido ao conflito na Ucrânia. Um pianista chegou a se algemar na porta da lanchonete mais famosa do mundo como protesto.

Neste domingo (13), as lanchonetes na capital russa registraram longas filas – tanto dentro dos restaurantes quanto de carros nos drive-thrus. Conforme apurado, a população local buscava um último lanche antes que os restaurantes fossem fechados temporariamente, como resposta à guerra na Ucrânia.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

De acordo com a agência de notícias russa RIA Novosti, esta segunda deve ser o último dia de muitas lojas da rede norte-americana no país.

LEIA TAMBÉM

• “Precisa acabar antes do inverno”, diz Zelensky sobre Guerra na Ucrânia• Idoso é preso suspeito golpe em mulher que queria adotar criança ucraniana• Líderes europeus visitam a Ucrânia e prometem apoio contra a Rússia

Um pianista russo protestou contra o fechamento e acabou sendo preso por policiais. Segundo ele, a lanchonete ”não tinha o direito de fechar”. Antes de ser levado, alguém da multidão ainda responde o russo dizendo: ”Em 6 semanas, eles vão reabrir com outro nome!”

Confira:

Fechamento das lojas

Aberta pela primeira vez na Rússia em 1990, a rede de lanchonetes americana McDonald´s anunciou na última terça-feira (8) o fechamento temporário das 850 franquias de restaurantes e suspensão de todas as suas operações no país. O método foi um passo influenciado por diversas multinacionais, que decidiram deixar Moscou após a invasão russa na Ucrânia.

“Nos juntamos ao mundo na condenação à agressão e violência, e estamos rezando pela paz”, disse em mensagem aos funcionários e franqueadores o CEO da empresa, Chris Kempczinski.

A rede de fast food tem 62 mil funcionários no país e informou que todos continuarão a ser pagos assim como trabalhadores da Ucrânia. Além disso, a companhia doou US$ 5 milhões a um fundo de assistência aos funcionários.

Tags: