Vítimas de cloroquina denunciam governo dos EUA

Assim como no Brasil, Donald Trump também fez propagandas com o remédio ineficaz e perigoso contra a Covid-19

Parentes de vítimas da Covid-19 que morreram após receber tratamentos à base de cloroquina e azitromicina, remédios utilizados no “tratamento precoce” da doença, começaram a processar o governo dos Estados Unidos.

Em março do ano passado, Steve Cicala levou sua esposa, Susan, ao pronto-socorro do Clara Maass Medical Center, em Nova Jersey, para tratar uma tosse e febre, sem saber que ela tinha Covid. Como sua respiração e pressão arterial estavam baixas, ela recebeu azitromicina e hidroxicloroquina e colocou um ventilador. Onze dias depois de ser admitida no mesmo hospital onde trabalhou por anos como enfermeira, Susan teve uma parada cardíaca e morreu, aos 60 anos.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Steve Cicala é agora a primeira pessoa conhecida a perseguir uma reclamação com um fundo do governo dos EUA de uma década que tem até US$ 30 bilhões que podem ser usados ​​para compensar ferimentos graves ou mortes causadas por tratamentos ou vacinas na luta contra a pandemia.

Ele poderia receber cerca de US$ 367 mil do fundo virtualmente inexplorado se pudesse mostrar o tratamento que causou a morte de sua esposa. Ele não está alegando negligência contra o hospital, que é amplamente protegido de responsabilidade por uma lei de saúde emergencial.

“Não há nada que a traga de volta”, disse Cicala, “mas obviamente com nossos dois filhos e agora dois netos, se houver algo que possamos fazer para ajudá-los, isso seria ótimo”.

Tags: