Você sabia? Maternidades emitem certidão de nascimento e dispensam ida ao cartório

Serviço ainda não está disponível em todos os hospitais

Desde 2001, Cartórios de Registro Civil de Goiás podem firmar parcerias com maternidades para que a Certidão de Nascimento seja emitida dentro do próprio hospital, antes de a mãe e bebe receberem alta. Além de Goiânia e Aparecida, cidades do interior também já aderiram, como Senador Canedo e Caldas Novas.

Nem todos os hospitais oferecem o serviço, que também pode ser disponibilizado na rede particular. As maternidades que aderem recebem  incentivo financeiro do SUS. Em Goiânia, Maternidade Nascer Cidadão, Materno Infantil, Maternidade Nossa Senhora de Lourdes e Maternidade Dona Iris são exemplos de hospitais que já fazem o registro.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Crianças sem Certidão

No Brasil, segundo dados mais recentes do IBGE, em 2015, três milhões de pessoas viviam sem ter certidão de nascimento, o que compromete o atendimento em serviços básicos, como saúde e educação, e impossibilita acesso a  programas assistenciais do governo.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen) de Goiás, Bruno Quintiliano, a parceria com as maternidades têm objetivo não só de facilitar a vida dos pais, que não precisam mais se deslocar até um cartório, mas também de reduzir o número de recém nascidos que não são registrados.

“Com certidão de nascimento, a criança passa a ser cidadã. O que a gente quer é que não aconteça o sub registro. Queremos que, até o momento da alta hospitalar, a criança já esteja com a certidão de nascimento”, explica o presidente da Arpen.

Gael saiu registrado

certidão de nascimento no hospital
Imagem: Arquivo pessoal

Mônica Pereira é operadora de caixa e mãe de dois filhos. O segundo, Gael Henrique, nasceu prematuro, com sete meses de gestação. Ficou dois meses e quinze dias na UTI Neonatal e, hoje, com cinco meses de vida, está bem.

Ele nasceu na maternidade Dona Iris e lá mesmo foi registrado, mas sem o nome do pai. Um dos mais de 100 mil bebês brasileiros que nasceram em 2021, mas estão  sem a paternidade no registro civil. Para a mãe, fazer a certidão de nascimento dentro da maternidade facilitou tudo. “Quando fui registrar eu fui abandonada pelo pai. Então, foi mais fácil para mim porque estava de resguardo e não precisei sair do hospital para fazer a certidão de nascimento”, relembra.

Na maternidade onde Gael Henrique nasceu, cerca de 200 crianças são registradas por mês. A responsável pelo serviço de cartório na maternidade Dona Iris, Patricia Queiroz, conta que o procedimento é gratuito e leva, em média, uma hora e meia.

“A gente exige uma relação de documentos aos pais. Estes documentos são escaneados, enviados pelo sistema SIRCON. Então, o cartório faz o registro e devolve os dados para fazermos a impressão em papel moeda e entregarmos o registro da criança”, explica Patrícia.

A comunicação entre a maternidade e o Cartório de Registro Civil é feita totalmente online e tem certificação digital. Para garantir mais segurança, na certidão de nascimento consta que ela foi emitida pelo sistema e são colocados  os nomes da maternidade e do cartório responsáveis pelo registro.

Tags: