Jornal Diário do Estado

Cães e gatos abandonados viram artistas e arrecadam fundos para associação

Pequenos pets usam apenas o focinhos e as patas para

Devido ao aumento dos abandonos de cães e gatos, um centro de acolhimento de animais de Bristol, na Inglaterra, usou a criatividade para arrecadar fundos para atividades e, em dezembro, leiloará quadros pintados pelos pets. 

No estúdio do Animal Rescue Centre (ARC), em Bristol, as cadelas Rosie e Alba trabalham duro em suas telas. Não são necessários pincéis, apenas focinho e pata eficazes. Os pets da pintura não devem ser muito rigorosos quanto às regras clássicas de composição.

Trata-se de um novo gênero de arte abstrata, que pode parecer infantil ou desordenada, mas sua missão é muito mais importante que as opiniões dos críticos.

O número de animais abandonados tem aumentado consideravelmente no Reino Unido, impulsionando em parte pela alta inflação e o aumento das taxas de juros. 

A Sociedade Protetora dos Animais do Reino Unido, RSPCA, disse estar “desesperadamente preocupada” com o aumento dos abandonos com a proximidade do inverno. 

Entre o início do ano e final de outubro, a RSPCA registrou 17.838 animais abandonados na Inglaterra e Gales. Se a tendência continuar, o número pode chegar a 21.500 em 2023, frente a cerca de 16.000 em 2020.

Criatividade

O ARC, que é membro da RSPCA, mas recebe financiamentos privados, precisou inovar para arrecadar fundos. Sua equipe programou para o início de dezembro uma “Gala dos cães de rua” on-line, durante a qual leiloará obras de artes dos animais. 

A maioria custa cerca de 50 libras (63 dólares, ou R$ 308), mas os preços podem chegar a 320 libras (403 dólares, ou R$ 1,9 mil) por um quadro de Major, um husky branco.

Segundo Bee Lawson, especialista em comportamento animal do ARC, a pintura é uma atividade terapêutica eficaz para cães abandonados, que muitas vezes ficam traumatizados após serem abandonados por seus donos e viverem sozinhos e sem comida nas ruas.