//

Exclusivo: documento mostra que mudança no projeto provocou a queda do reservatório em Senador Canedo

Em

O projeto original de construção e instalação do reservatório de água em Senador Canedo foi modificado comprometendo a finalidade da instalação que para funcionar em segurança necessitaria de uma Válvula de Controle de água entre a parte superior e inferior da caixa d´água Tipo Taça Canela Cheia.

A queda do reservatório na manhã de quinta-feira pode ter ocorrido porque os 600 mil litros de água estavam apenas na parte superior da caixa. Com a queda, quatro casas foram atingidas, sendo que uma ficou completamente destruída, causando lesões graves no jovem Yuri Louredo Guiliani, 18 anos, internado em estado grave, mas estável, no Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).

O engenheiro civil Alcides Neto Sebastião Pimenta, responsável pelo projeto e acompanhamento da obra da estrutura de concreto armado e do tanque ou reservatório em aço para a Agência Municipal de Saneamento de Senador Canedo, localizado na Avenida Presidente Roosevelt, no Setor Monte Azul, com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida pelo CREA-GO número 1020170025642, anotou no documento comprovante de baixa de contrato que a obra havia sido concluída, mas que o projeto foi alterado, motivo pelo qual ele não seria mais o responsável caso algo acontecesse.

No documento assinado por ele, consta a informação de que ele era o responsável em contratar o pessoal para a execução da obra, mas que a coordenação ficava a cargo da Companhia de Saneamento de Senador Canedo (Sanesc). No dia 7 de dezembro de 2017, o engenheiro relata: “Obra concluída, porém a mesma foi alterada na base alimentadora e bloco arranajo (sic) hidráulico e caixa de manobras onde o mesmo deveria abastecer os empreendidos das terras alpha, conforme projeto discutido entre as partes, e regiões adjacentes. O nível mínimo ficou ajustado a 96 cm do solo e posteriormente a 50 cm com a saída do manifoldo.

Presidente Eudes Antônio de Castro e a eng. Reosngela (sic) Francisca e outro encarregado Marcelino MAT 440 alteraram sem o conhecimento do autor e QUAISQUER PROBLEMAS passa a ser de responsabilidade dos mesmos, da alteração”. Segundo o documento a obra, tida como finalizada em etapa única, custou R$ 8 mil.

Ele continua dizendo que “o reservatório existente por sua vez seria o determinante de cotas estava previsto somente uma válvula controladora de altitude com DN 200 mm. Agora, por sua vez, todos os reservatórios perderam na concepção o princípio de vasos comunicantes em equilíbrio, no entanto deverá ser empregado na nova concepção, se o fizerem, uma VÁLVULA DE CONTROLE no valor de R$ 135 mil, além de todos os reservatórios perderam a cota primitiva”. O documento está arquivado no CREA-GO.

O Diário do Estado tentou contato nesta sexta-feira com o engenheiro, mas ele não atendeu as ligações nem respondeu as mensagens enviadas. O fabricante do tanque reservatório, o empresário Eurípides Gomes disse que está muito abalado com o que aconteceu e preferiu não se manifestar ainda sobre o assunto.

O reservatório foi construído na gestão do ex-prefeito Misael de Oliveira e colocado em funcionamento no governo do ex-prefeito Divino Lemes mesmo sem a instalação da Válvula de Regulação de Água. A denúncia de que o acidente pode ter sido provocado pela falta da válvula foi repassada ao Diário do Estado na quinta-feira com exclusividade por um funcionário da Sanesc, que alertou que outros dois reservatórios na cidade estão na mesma situação: o Residencial Prado e o da Vila São João.

* Rosana Melo especial para o Diário do Estado

 


Rosana Melo

Rosana Melo é jornalista, vencedora dos prêmios: Prêmio AMB de Jornalismo da Associação dos Magistrados Brasileiros - Regional Centro Oeste; 13º Prêmio Embratel Regional Centro Oeste; 2º Prêmio MP-GO de Jornalismo; Prêmio OAB-GO de Jornalismo - todos em primeiro lugar e menção honrosa como finalista em dois Prêmios Esso categoria Jornal Impresso.