Jornal Diário do Estado

// Poder

Alexandre Baldy trabalha para ser indicado ministro do governo Lula

Em

Presidente da Agehab e ex-ministro das Cidades no governo de Michel Temer, Alexandre Baldy trabalha para ser indicado novamente ministro neste terceiro mandato do presidente Lula. As negociações entre o Palácio do Planalto e o bloco no Congresso Nacional apelidado de “Centrão” têm avançado, e o PP, partido de Baldy e o principal expoente daquele grupo, deve indicar pelo menos dois nomes para a Esplanada dos Ministérios.

Da primeira vez que se tornou ministro, Alexandre Baldy, então deputado federal, contou com o apoio ostensivo do presidente da Câmara na época, Rodrigo Maia. Hoje ele teria respaldo do atual presidente, Arthur Lira, do PP de Alagoas, e do senador Ciro Nogueira, do PP de Piauí – aliás, tem ótimo relacionamento com ambos. Também conta a seu favor, dizem interlocutores, o fato de ter “contemplado” os deputados quando esteve à frente do ministério das Cidades, entregando milhares de moradias em diversos redutos eleitorais dos parlamentares.

Como as negociações são comandadas pelos grandes líderes do PP, partido que Baldy preside em Goiás e do qual é vice-presidente nacional, aliados do presidente da Agehab afirmaram à Poder que mesmo ele tendo apoiado a reeleição de Jair Bolsonaro em 2022, isso não será obstáculo para uma eventual indicação do seu nome – afinal, Lula deve ceder ministérios e cargos ao “Centrão” justamente para ter, em troca, o apoio dos deputados deste bloco ao seu governo.

As fontes ouvidas pela Poder também ressaltam que Baldy tem agido com muita discrição. Aproveita todas as oportunidades possíveis para articular – o bom trânsito que ele tem em Brasília (DF) é público e notório -, “mas com muita naturalidade”, dizem. No final de 2021, vale lembrar, ele foi “vetado” pelo próprio Bolsonaro para ocupar um posto de articulação política no Ministério da Economia. As mesmas fontes também lembram que, “pela lógica”, seria mais provável que um pepista, com mandato, deixasse a Câmara para se tornar ministro. “Mas a escolha de Baldy também evita que haja ciúme entre a bancada”, justificam.

Tags: