Emoções interferem no processo de emagrecimento

O processo de emagrecimento é comprovadamente uma ciência não exata, existem milhares de fatores que podem desfavorecer aquele que buscam perder aqueles quilinhos. Aquela velha frase “só é gordo quem quer” tem sido cada vez mais desconstruída por uma série de estudos, estes vem mostrando que o fato comer menos e fazer exercícios não podem fazer sozinhos a mágica de emagrecer.

Em um artigo publicado na Marie Claire a Dra. Esthela Conde especialista em nutrologia, destacou o fator emocional como um grande empecilho para o emagrecimento.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Nossas emoções, influenciam direta e indiretamente no processo de emagrecimento ou obesidade. Uma pessoa ansiosa tende a comer mais e muitas vezes nem se dá conta. Uma pessoa deprimida pode sentir mais necessidade de comer” explicou a doutora.

LEIA TAMBÉM

• Retorno às atividades reaquece mercado de cuidadores de pets em Goiás• Saiba como utilizar o PIX em segurança e evitar golpes• Aline Borel é encontrada morta com marcas de tiro no rosto em praia do Rio de Janeiro

O açúcar age em pessoas deprimidas aumentado seus neurotransmissores ligados ao prazer. O então pode agir da maneira reversa fazendo com que a pessoa perda o apetite por pura falta de vontade de viver, levando até mesmo a anorexia.


O estresse do dia a dia segundo a especialista também pode agir no nosso corpo.

“O estresse eleva o cortisol da corrente sanguínea. O cortisol por sua vez favorece o aumento dos níveis de açúcar na circulação, fazendo com que os níveis de insulina também aumentem, levando assim, a um aumento da gordura abdominal”.

A muito tempo a ciência mostrou que a obesidade por sua vez não é apenas uma doença física, mas ela acarreta uma série de outras doenças de fator psicológico. Com isso, obesos o qualquer outro ser humano não come por uma questão apenas fisiológica, mas pela sensação de prazer ou pela “compensação” que a comida traz. E é dessa maneira que muitos perdem o controle, criando uma compulsão alimentar, segundo a especialista.

Sendo assim, a doutora destaca em seu artigo a extrema importância que o médico e/ou nutricionista tem na percepção do tratamento. Conversar durante a consulta, com um olhar diferenciado e atenção redobrada, fazem com que eles sejam capazes de captar sinais e sintomas de alterações emocionais em um paciente.

“Muitas vezes o tratamento para emagrecimento precisa ser multidisciplinar, com participação de profissionais como psicólogos e psiquiatras, além do médico e nutricionista”, explica a doutora.

Tags: