Home»Trânsito»Simulador não é mais obrigatório para obter CNH

Segundo o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, não há comprovação sobre e eficácia do simulador na preparação do motorista.

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp
(62) 9 8219-1904 Fale com o Diário do Estado

Começou a valer na última segunda- feira (16), a Resolução 778, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que define mudanças no processo de formação de motoristas. O uso do simulador se torna facultativo para a expedição da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Reduziu também de 25 para 20 horas o número de aulas práticas para habilitação categoria B.

O documento define também que a exigência de aulas noturnas diminui para 1 hora/aula prática tanto para a categoria A (moto) quanto categoria B (carro). Antes era de 20% sobre o total da carga horária. Outra mudança, é o aumento da validade da CNH que passa a ser de dez anos.

Segundo o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, não há comprovação sobre e eficácia do simulador na preparação do motorista. “O simulador não tem eficácia comprovada, ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há essa obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”, disse o ministro durante entrevista ao anunciar as mudanças em junho passado.

No Rio Grande do Sul a resolução 778 ainda não tem validade. No estado ainda é obrigatório a realização de aulas em simulador de direção para categoria B.

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!

Comente á vontade!