“Caminhoneiros não vão parar sozinhos”, afirma sindicalista após debate nacional

Para Vantuir Rodrigues, Governo Federal quer forçar greve da categoria para jogar culpa dos aumentos dos combustíveis nos governadores

Em

Entidades ligadas ao transporte de cargas decidiram que os caminhoneiros não vão fazer nenhum movimento contra os constantes aumentos no preço do óleo diesel. A categoria discutiu a possibilidade de uma greve geral, mas concluiu que parar só beneficiaria o Governo Federal.

“Porque não tiram o imposto de importação do petróleo? Só fazendo isso já resolveria o problema. Não tiram porque o imposto beneficia os acionistas da Petrobrás. Querem tirar o ICMS dos estados. E quem vai pagar por isso é o trabalhador. Não vamos servir de bode expiatório”, explica Vantuir Rodrigues, presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga de Goiás (Sinditac).

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Ele defende que a paralisação deva acontecer com toda a sociedade. “Os caminhoneiros não vão parar sozinhos. Tem de parar todo mundo. A imprensa, os pedreiros, motociclistas, médicos. Todo mundo dando um basta e exigindo uma solução”. Rodrigues conta que a categoria é contra o aumento e tem sido penalizada de diversas formas pelo Governo Federal. Primeiro, com a mudança de 10% para 5% na elaboração da tabela do preço do piso mínimo do frete rodoviário, e depois, com os constantes aumentos do óleo diesel. O último havia ocorrido em 10 de maio.

LEIA TAMBÉM

• Dia dos Pais: movimento em bares e restaurantes deve aumentar 30%• Goiás chega a marca de 60 casos confirmados de varíola dos macacos• Tendência nacional, mais lares goianos passam a ser chefiados por mulheres

Na manhã desta segunda-feira, 20, o litro do óleo diesel era encontrado por R$ 6,99, com variações para mais e para menos nos postos de Goiânia. No último dia 18, a Petrobrás anunciou aumento de 14,26% no preço do litro do diesel comercializado nas refinarias. O preço ao consumidor, segundo previsão da empresa, sairia dos R$ 4,42 para R$ 5,05, o que não ocorreu.

O da gasolina, que sofreu aumento de 5,18%, passou de R$ 3,86 para R$ 5,06 por litro vendido para as distribuidoras. Nas bombas da maioria dos postos, o preço médio foi de até R$ 7, 52, mas, em alguns postos, o litro do combustível ultrapassou os R$ 8.

Foto: Walter Peixoto / DE

 

Tags:

Rosana Melo

Rosana Melo é jornalista, vencedora dos prêmios: Prêmio AMB de Jornalismo da Associação dos Magistrados Brasileiros - Regional Centro Oeste; 13º Prêmio Embratel Regional Centro Oeste; 2º Prêmio MP-GO de Jornalismo; Prêmio OAB-GO de Jornalismo - todos em primeiro lugar e menção honrosa como finalista em dois Prêmios Esso categoria Jornal Impresso.