Dirigente do Marcílio Dias cria polêmica com tragédia da Chapecoense

O vice-presidente do Clube Náutico Marcílio Dias, da cidade de Itajaí, no litoral de Santa Catarina, causou polêmica ao afirmar que sua equipe não precisa da queda de um avião para crescer, em uma referência à Chapecoense, que sofreu com uma tragédia aérea no fim do ano passado.

A declaração de Mauro Pereira foi veiculada em um vídeo no Facebook. “Muita gente me cobrou para não falar isso, mas: o avião do Marcílio Dias não precisa cair para a gente transformamos esse time uma potência do futebol catarinense, do futebol brasileiro. Não precisamos de tragédia para tornar nosso time grande”, afirmou o dirigente.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Pressionada, a diretoria do Marcílio Dias emitiu nota oficial nesta segunda-feira, 20, explicando as declarações do mandatário. Segundo o clube, a fala de Pereira estava relacionada à adesão ao programa de sócios da equipe. “Temos a consciência de que uma administração séria, transparente e comprometida, como existe na Chapecoense, é fator determinante para o sucesso de um programa de sócios. A colocação está no sentido de que a torcida precisa ser solidária ao processo de renovação do clube, sem a necessidade de passar por uma tragédia para que isso venha a acontecer”, disse a agremiação em nota.

LEIA TAMBÉM

• Correios realizam leilão de 289 motocicletas em Goiás• Anápolis: Homem é executado a tiros na frente da esposa e de do filho• Prefeitura de Goianésia realiza concurso com salário de até R$ 17 mil

“Em momento algum a declaração visou desmerecer, diminuir ou denegrir a Associação Chapecoense de Futebol, um exemplo a ser seguido pelo Marcílio Dias em termos de administração, e que temos o total respeito e entendimento de sua grandeza, inclusive antes da tragédia acontecer. Transmitindo a mensagem do nosso vice-presidente, pedimos desculpa àqueles que se sentiram ofendidos pela declaração, e que em momento algum ela foi relacionada a diminuir a tragédia ou nosso coirmão de Chapecó, um exemplo a ser seguido dentro e, principalmente, fora de campo”, completa a nota.