Do tráfico à carreira milionária, Michael dá adeus ao Flamengo

O jogador venceu seis tentativas de homicídio, tráfico de drogas e a depressão para chegar até o seu esperando momento: um milionário na Arábia

Com uma história de superação, Michael deixa o Flamengo para se tornar milionário na Arábia. Essa é a história do jogador que escapou de seis tentativas de homicídio, tráfico de drogas e depressão enquanto disputava pelo seu sonho de ser jogador de futebol.

O atleta foi descoberto no Centro Juvenil de Poxoréu, uma pequena cidade de Mato Grosso. Seu envolvimento com as drogas começou aos 14 anos, quando ele começou no tráfico.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Eu gostava de mexer com tráfico, gostava só de coisa errada. Depois da sexta vez que tentaram me matar, Deus disse para mim: “Chega, né?”. Fui para a igreja, e uma mulher disse tudo o que aconteceu na minha vida. Falei que, se Deus for bom, ele vai ter misericórdia de mim”, disse o atacante.

“Tentaram me matar seis vezes. Eu era muito brigão no terrão, sempre fui custoso, ‘galudinho’. Também era por tráfico. Acabei vendendo droga, acabei fumando e acabei roubando. Fiz muitas coisas, e não tenho orgulho. Não tenho orgulho, não. Mas foram coisas que aconteceram na minha vida, e eu peço perdão.”

LEIA TAMBÉM

• Atlético e Goiás sofrem goleadas de São Paulo e Flamengo no Feminino Sub-20• Noite de Libertadores e Sula: Fla e Timão empatam, Flu e Dragão vencem• Clubes brasileiros iniciam criação da LiBra, nova liga do futebol nacional

Seu talento o levou até o Goiás, onde ele virou um dos atacantes estrelas. Quando tudo parecia resolvido, veio a tensão de ser um jogador melhor. E a incompreensão dos treinadores. Tudo isso trouxe junto a depressão, noite em que ele dormia dentro do carro e tinha pensamentos depressivos.

“Eu tive depressão […] sofri muito com isso. Na época, eu estava no hotel e quis me suicidar. Me vieram pensamentos ruins, e eu queria saber como era me jogar do prédio. Então, eu gritei por socorro, pela minha mulher, pelo doutor Tanure, Diego Ribas, Diego Alves, Filipe Luís, o Rafinha, o Marcos Braz também. Eles me fizeram ser querido, ser abraçado. Eles tiveram um cuidado comigo que ninguém antes tinha tido.”

“No momento em que eu mais precisei de um amigo, os funcionários do Flamengo estenderam a mão para mim. Deus usa pessoas para te ajudar. Hoje, posso falar que depressão tem cura, pelo menos para mim teve. Eu consigo exercer minha profissão melhor. Sou muito grato pelo que fizeram por mim. Não tenho vergonha de falar isso, porque depressão quase todo mundo tem, mas ninguém quer assumir.”

Suas confissões foram dadas à radio Sagres e ao canal Barbaridade de forma crua, sem nenhum disfarce.

Michael tratou a depressão, e encontrou Renato Gaúcho no ano passado. O treinador acredito em seu talento, e ele teve um fim de temporada empolgante.

E acabou sendo premiado. O atacante foi ”vendido” ao Al-Hilal, por US$ 8,45 milhões (R$ 45,5 milhões), pelos 80% do Flamengo, 5% para o Goiás e 15% divididos entre o empresário Eduardo Maluf e o Jogador. Michael assinou um contrato de três anos e receberá R$ 12,9 milhões por cada temporada jogada.

E quem vai substituir Michael?

Marinho está na cota para substituição do atacante. O Flamengo já está perto de compensar a saída de Michael.

O jogador aceitou ir jogar no Gávea. E agora, a diretoria carioca está fechando detalhes com a direção santista.

Tags: