“Nunca negociaria uma matéria sobre a minha vida pessoal”, diz Bruna Marquezine, à revista GQ.

Read Time:1 Minute, 29 Second

Bruna Marquezine foi escolhida para ser a   garota da capa da revista GQ deste mês de junho. Em entrevista ao jornalista Ademir Correa, a atriz é descrita como  uma paixão nacional.

De “pequena notável”, época em que, aos 7 anos, conquistou a TV em uma interpretação de adulta, agora é uma menina-mulher de 22 anos – integrante daquele grupo seleto de atrizes disputadas por autores, digital influencer e princesa (segundo o próprio Neymar) de craque em ano de Copa.

Recentemente, também marcou presença no Festival de Cannes, onde ganhou as manchetes internacionais como passagem incendiária e espetacular; torceu em Paris no dia da convocação da seleção de Tite; roubou a cena na amfAR, em São Paulo, em jantar beneficente dedicado ao trabalho do Instituto Neymar Jr e foi ao Oriente Médio para alertar o mundo sobre a questão dos refugiados.

Mas tudo isso, é apenas algumas de suas versões. Bruna não gosta de simplificações. “Acho carinhoso, tento não ver o peso disso. Quando você acredita muito nas coisas, acaba se limitando e ficando presa a um rótulo”,

esclarece.No auge e na reta final da gravação da novela das 7 Deus Salve Rei – em que interpreta seu primeiro papel como vilã – ela encara o desafio de conciliar sua vida pessoal e profissional longe das notícias falsas.

“Toda a pessoa que tem uma imagem pública é refém da mídia. Por mais que possa pegar meu telefone e esclarecer tudo, só tenho controle do que digo e, às vezes, nem isso. Todo mundo acredita no que quer”, desabafa.Nos trechos da reportagem abaixo, a estrela fala sobre repercussão na mídia, relação com Neymar e desconstrução da fama.

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Close