Saiba quais as regiões mais infestadas com foco da dengue em Goiânia

Quantidade reforça necessidade de combate ao mosquito, que já levou 11 pessoas à morte em decorrência da doença. Visita a imóveis continua nesta semana na região oeste 

Com ritmo de crescimento acelerado, os casos de dengue na capital assustam e chamam atenção para a necessidade de combate ao mosquito transmissor. Uma força tarefa da Prefeitura iniciada há duas semanas já encontrou 202 focos do inseto. A maior parte deles está nos setores Itaipu, Residencial Canadá, Faiçalville, Jardim Novo Mundo, Vila Pedroso e Vale do Araguaia.

O índice de infestação é aparentemente baixo sendo de 1,22% entre os 16.432 locais fiscalizados, ou seja, um imóvel a cada 100 visitados. No entanto, o reflexo em Goiânia foi de 11 mortes em decorrência da doença apenas neste ano até o dia 07 de maio, de acordo com o painel de indicadores da Secretaria Estadual de Saúde. Nesse mesmo período do ano passado, foram confirmados 24.376 casos de dengue no estado. Em 2022, o avanço foi de  300%.  

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Bairros da região sudoeste e leste foram visitados nesta semana. Na próxima, serão visitadas as regiões oeste e  noroeste. O objetivo é combater o mosquito que também transmite chikungunya e zika , além de autuar os donos de imóveis reincidentes, que poderão recorrer as multas em cinco dias. Se mantidas, elas serão cobradas no boleto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana (ITU) de 2023. Os valores começam R$ 2.608,81 e chegam a R$ 26.088,15.

LEIA TAMBÉM

• Já no primeiro dia da frente fria goianos acham “doloroso” levantar da cama• Frio esquenta 44 antes mesmo de queda brusca nos termômetros• Semana Nacional de Museus tem programação gratuita até sábado, 21, em Goiás

De acordo com a SES-GO, 80% da população goiana teve dengue sem saber. O número de exames laboratoriais para detecção de dengue aumentou 918% entre janeiro do ano passado e o deste ano. A estatística assustadora foi registrada por apenas uma rede de laboratórios goiana, a Padrão, e reflete a situação fora de controle em todo o País. Segundo especialistas, o atual patamar é de uma epidemia.

Tags: