Home»Esportes»Tragédia com avião da Chapecoense completa um ano

Tragédia com avião da Chapecoense completa um ano

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp

A tragédia comoveu muitas pessoas nas redes sociais

Nesta quarta-feira (29), o acidente com o avião que transportava  o time da chapecoense para o 1° jogo da final  da copa Sul-Americana completa um ano. Na ocasião, 71 pessoas, entre jogadores, dirigentes, jornalistas, comissão técnica e convidados, morreram. O clube não fará nenhum tipo de celebração na data da tragédia, porém a Arena Condá, estádio da Chapecoense, ficará aberta nesta terça-feira (28) o dia todo, para quem quiser ir prestar homenagem as vítimas da tragédia. O corredor de acesso aos vestiários será preenchido com banners de imagens dos momentos de conquistas das vítimas com a camisa verde e branca.  Nos dias seguintes, as paredes do estádio serão pintadas com obras criadas pelos artistas Digo Cardoso e Paulo Consentino.

Imagem divulgação

Comoção nas redes sociais

Quando a notícia chegou a Chapecó, já na madrugada do dia 29, os 200 mil habitantes foram sendo despertados pelos relatos da tragédia e a cidade mergulhou na dor e no luto. Do sonho de uma conquista esportiva para o pesadelo inimaginável: os chapecoenses tinham perdido seus jogadores, seus dirigentes e jornalistas que relatariam a vitória tão esperada. E só havia um lugar onde eles queriam estar: a Arena Condá, o estádio do clube.

Na noite de quarta-feira, quando o time deveria estar jogando em Medellin, os torcedores lotaram as arquibancadas para chorar, cantar o hino do clube e gritar a saudação que tinha guardada no peito: “É campeão!”. Simultaneamente, em Medellin, colombianos lotaram o estádio Atanasio Girardot, onde o jogo contra a Chapecoense deveria ocorrer, para homenagear o time brasileiro.

O luto de Chapecó se espalhou pelo Brasil e o mundo. Nas redes sociais, torcedores de equipes adversárias começaram a pintar de verde os distintivos de seus próprios times e a frase: “Somos Chape”. Era o início da reação para reconstruir o sonho e o time.

Os jogadores que sobreviveram

O goleiro Jackson Follman,foi  primeiro sobrevivente a ser resgatado dos escombros, não se lembra exatamente o que aconteceu. Tudo que ele recorda é que estava sentado perto dos três companheiros que sobreviveram com ele, o zagueiro Neto, o lateral Alan e o jornalista Rafael Renzi e todos estavam conversando animadamente. Então as luzes da cabine se apagaram e ele desmaiou.

Follman costuma dizer, em entrevistas, que se deu conta de que o avião tinha caído quando voltou a si na escuridão total, no meio dos destroços. E pensou: “O avião caiu. Todo mundo se salvou. Estão todos vivos”. Ao ver os focos das lanternas dos bombeiros no meio da mata, Follman reuniu forças para gritar por socorro. Levado de helicóptero ao hospital, ele teve parte da perna direita amputada. Em longas cirurgias, os médicos conseguiram reconstruir o calcanhar do pé esquerdo e uma vértebra cervical que, por sorte, não atingiu a medula.

O lateral Alan Ruschel também estava muito ferido e foi levado ao hospital de caminhonete, por dois moradores de La Unión. Embora estivesse consciente o tempo todo, Alan tinha um problema grave: uma fratura na coluna que poderia deixá-lo tetraplégico. Mas, nas horas seguintes, os médicos do Hospital San Vicente descartaram o risco.

O zagueiro Helio Neto ficou sete horas nos escombros e foi o último a ser resgatado. Os socorristas já tinham desistido de encontrar mais sobreviventes quando um deles ouviu gemidos e voltou para localizar o chamado. No entanto, seu estado era tão crítico que os médicos chegaram a prevenir seus familiares de que não alimentassem muitas esperanças.

Um ano sem reparo

Nenhuma indenização foi paga, e a perspectiva pela frente é uma longa batalha nos tribunais. A Chapecoense pagou um seguro obrigatório e o seguro feito em nome de atletas e funcionários. O clube ainda deve ser acionado na Justiça por familiares de vítimas.

Informações: Agência Brasil

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!


Comente a vontade