Cabeleireira é morta a golpes de faca em almoço de família

Vítima tinha 49 anos e recebeu 10 facadas. Principal suspeito é o ex-companheiro dela

Uma cabeleireira de 49 anos foi morta a facadas pelo ex-companheiro, em Aparecida de Goiânia. A vítima, Jandalira Maria Edivigens de Novaes, estava em um almoço de família quando Nerislei Alves da Silva a atacou. O crime ocorreu no domingo,19, por volta das 17 horas. Porém começou a ser investigado pela Polícia Civil (PC), nesta segunda-feira, 20.

De acordo com a irmã da vítima, a técnica de enfermagem Eleni Maria de Novaes, o casal viveu em união estável por três anos, os dois têm uma filha de um ano e 11 meses. Ainda segundo a enfermeira, Jandalira vivia em um relacionamento abusivo. E que a irmã tinha uma medida protetiva contra o agressor.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

No dia do crime, Nerislei ligou para a vítima informando que estava no portão e que gostaria de conversar com ela. A mulher foi atender o portão acompanhada de uma outra irmã, que carregava a filha do ex-casal no colo. Ele chegou a pegar a bebê nos braços, mas ela chorou e rapidamente foi devolvida para a tia.

LEIA TAMBÉM

• Pai e filho são presos suspeitos de matar agiota, em Aparecida de Goiânia• Vídeo: Por ciúmes, homem assassina ex-mulher e foge para mata, em Goiânia• Vídeo: Em Aparecida, casa de homem preso por consumir carne de cachorro é incendiada

Em seguida, a irmã da vítima entrou para dentro da casa para deixar a menina na companhia dos outros parentes. Mas antes que ela retornasse, todos ouviram os gritos de socorro de Jandalira. Ao chegar no portão, encontrou a irmã com ferimentos no queixo, tórax, abdômen e braços, todos causados por golpes de faca.

Ainda conforme a enfermeira, após cometer o crime o homem fugiu em uma moto. A vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Estadual de Aparecida de Goiânia (Heapa), onde veio a óbito 40 minutos após ser atendida.

O caso é investigado pela Delegacia de Homicídio de Aparecida de Goiânia (GIH). Até o fechamento da matéria, o acusado não havia sido preso.

Tags: