Dupla é presa por fraudes em negociações na compra de gado, em Goiás.

Os dois eram integrantes de uma associação criminosa voltada para a realização de negociações fraudulentas na aquisição de gados.

Dois homens foram presos em flagrantes pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), por fazerem parte de uma associação criminosa que era voltada para a realização de negociações fraudulentas na compra de gados. A prisão foi realizada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Rurais (DERCR), por meio da Operação Crédito Oculto.

Segundo o delegado Adriano Melo, adjunto da DERCR, a partir do momento que receberam as informações, a equipe iniciou as diligências.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“No momento que encontramos os autores, eles estavam com dados de um produtor rural da cidade de Alexânia, negociando com a vítima na cidade de Vianópolis. Contudo, os autores usaram e-mail fraudulento, pegando dados de outro produtor rural. Eles estavam tentando adquirir um rebanho de gados avaliado em mais de R$ 400 mil.”, comenta o delegado.

Foi apurado pela delegacia que para ganhar a confiança da vítima, a organização criminosa deu um sinal, através de um depósito bancário em dinheiro, no valor de R$ 36 mil. Além de firmarem contrato com dados e selo de cartório falsos, referente ao restante do pagamento em parcelas que totalizavam mais de 90% do acordado.

LEIA TAMBÉM

• Bombeiros: uma rotina de perigo e dedicação• Goiás registra um estupro de criança ou adolescente a cada quatro horas• Covid-19: veja onde se imunizar neste sábado, 2, em Goiânia

O delegado ainda relata “que os dois presos têm passagem criminal e as investigações apontaram que eles fazem parte de uma associação criminal voltada para a pratica de diversos crimes. Onde a associação tem estrutura, logística e com o costume de praticar esses crimes”.

Foram identificados e autuados em flagrante José Ribamar Pereira Silva, 52 anos de idade, e Leandro Severino Alves, 42 anos. A divulgação da imagem dos presos foi permitida para a identificação de outros eventuais crimes cometidos pelos investigados e para o surgimento de novas testemunhas.