Vai pescar? Produtos apresentam variação de até 200%, em Goiânia

Anzol teve a maior variação de preço entre os 115 produtos pesquisados pelo Procon Goiás durante três dias

O mês das férias mal começou, mas o preço dos principais produtos comercializados em julho já começou a aumentar, segundo uma pesquisa do Programa de Defesa do Consumidor de Goiás (Procon) divulgada nesta sexta-feira, 1º. Os produtos de pesca, por exemplo, registraram uma variação de até 200% na capital. Um dos motivos da diferença de preço, conforme o órgão, é o Rio Araguaia e outros lugares de lazer, destino certo de muitas familias e pescadores nesta época do ano.

Para realizar o levantamento, o Procon vizitou 16 estabelecimentos de produtos de pesca e camping, entre os dias 20 e 23 de junho de  2022. Foram consultados os preços de 115 itens como barracas, colchões infláveis, lanternas, fogareiros, anzóis, linhas, chumbadas, varas de pesca, molinetes e carretilhas, além de barcos, motores e coletes salva-vidas. O produto que teve a maior variação, conforme o órgão, foi o Anzol Marine Sport 1/0 – c/ 50 Unidades – Ref. 4330 – Marine Sport – cujo menor preço encontrado foi de R$ 7 e o maior R$ 21.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O maior aumento médio, entretanto, foi de 63,16% no caso do Fogareiro Duo Ceramik Cons. Gás com 1 chama. Já a barraca para 6 pessoas da marca Rainforest, por outro lado, registrou redução de 36,53% na comparação. (Veja relatório)

LEIA TAMBÉM

• Em Goiânia, literatura ganha impulso com redes sociais e adaptações de TV e cinema• Ciclovia entre campus da UFG deve reforçar mobilidade com integração de modais• Goiânia recebe feira de discos de vinil, com muita música e várias atrações

Orientações 

Além da velha dica de pesquisar os preços, o Procon também orienta os consumidores a aproveitarem as promoções comuns nesta época do ano. Para o órgão, é preciso ter calma na hora de ir às compras, pois como esses produtos não são tabelados, a compra sem os devidos cuidados pode causar prejuízo no bolso do comprador.

Outra orientação é fracionar a compra entre os estabelecimentos visitados que a economia será ainda maior. Evite ainda comprar produtos sem procedência (mercado informal) e que não emitem nota fiscal. O preço, muitas vezes, pode até ser mais vantajoso, mas o prejuízo pode vir na quantidade e principalmente na qualidade do produto, que não dará a garantia necessária para a segurança na utilização.

Tags: